Secex publica resultados de consultas sobre materiais sujeitos a isenção ou redução do Imposto de Importação

Prazo para governo e Congresso decidirem sobre compensação da desoneração se encerra em 19 de julho
Grupo de Trabalho da Reforma Tributária afirma que objetivo é assegurar que a carga tributária seja neutra para todos os setores da economia
Deputado diz que relatório do projeto de regulamentação não prevê taxação de fundos imobiliários

Secex publica resultados de consultas sobre materiais sujeitos a isenção ou redução do Imposto de Importação

Secex publica resultados de consultas sobre materiais sujeitos a isenção ou redução do Imposto de Importação

Por: Autor
13/07/2022

A Secretaria de Comércio Exterior (Secex) concedeu acesso, a partir desta quinta-feira (30/6), a painéis de dados sobre os resultados de consultas públicas para a importação de material usado e de bens sujeitos a exame de similaridade em razão da existência de benefícios fiscais para as operações. Esses bens e materiais estão usualmente sujeitos a isenção ou redução do Imposto de Importação.

A realização dessas transações comerciais exige, como regra geral, a prévia apuração de produção nacional por parte da Secex, promovida mediante consultas públicas no curso do processo de licenciamento de importação. Os painéis foram desenvolvidos com o emprego de ferramenta de Business Intelligence e podem ser acessados na página eletrônica do Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex).

Com apresentação amigável para o usuário, os painéis de material usado e de bens sujeitos a exame da similaridade buscam ampliar a transparência e facilitar o manuseio de informações relativas aos produtos que já foram objeto de consultas públicas pela Secex, alcançando todos os interessados no assunto, sobretudo importadores e fabricantes nacionais.

São oferecidas visualizações envolvendo a classificação do produto na Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), o seu modelo, o enquadramento na Classificação Uniforme do Comércio Internacional (Cuci), o período em que o bem foi objeto da consulta pública e se há produção nacional identificada, entre outros recortes.

Para o secretário de Comércio Exterior, Lucas Ferraz, a novidade soma-se a outras iniciativas que vêm sendo adotadas pelo governo federal visando a alinhar o Brasil às melhores práticas internacionais e atender compromissos firmados pelo país por meio do Acordo sobre a Facilitação do Comércio da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Fonte: Econet; Ministério da Economia

Compartilhe