Lei que reduz quóruns de deliberação em sociedades limitadas é sancionada; veja mudanças.

Prazo para governo e Congresso decidirem sobre compensação da desoneração se encerra em 19 de julho
Grupo de Trabalho da Reforma Tributária afirma que objetivo é assegurar que a carga tributária seja neutra para todos os setores da economia
Deputado diz que relatório do projeto de regulamentação não prevê taxação de fundos imobiliários

Lei que reduz quóruns de deliberação em sociedades limitadas é sancionada; veja mudanças.

Lei que reduz quóruns de deliberação em sociedades limitadas é sancionada; veja mudanças.

Por: Autor
31/08/2022

Foi sancionado, sem vetos, o projeto de lei que reduz os quóruns das deliberações de sócios das sociedades limitadas (Ltda). 

A lei 14.451/22, publicada nesta quinta-feira (22) no Diário Oficial da União, determina que a designação de administradores não sócios de uma empresa dependerá da aprovação de, no mínimo, dois terços dos sócios, enquanto o capital não estiver integralizado, e da aprovação de titulares de quotas correspondentes a mais da metade do capital social, após a integralização.

Antes dessa aprovação, o Código Civil previa que a nomeação dependia de quóruns maiores: unanimidade dos sócios, no caso de capital não estiver integralizado, e de 2/3 após a integralização.

O projeto que deu origem à lei (PL 4498/16) é do deputado Carlos Bezerra (MDB-MT). Ele afirma que o objetivo da mudança é agilizar a nomeação de administrador que não é sócio da sociedade limitada.

– Contrato social

A lei também flexibiliza a tomada de decisão na sociedade limitada, reduzindo o quórum necessário para a modificação do contrato social da empresa e para a incorporação, a fusão e a dissolução da sociedade, ou a cessação do estado de liquidação.

Hoje o quórum previsto o Código Civil é de pelo menos 75% do capital social. A lei reduz para maioria.

As novas regras previstas na Lei 14.451/22 entram em vigor em 30 dias. O prazo foi incluído para dar tempo às empresas se informarem sobre as mudanças.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Compartilhe