Em entrevista ao JOTA, secretário aponta possibilidade de propor medidas que serão adotadas caso a alíquota média ultrapasse o patamar limite
Neste artigo, o especialista explica a respeito do split payment, como ele funciona e discussões atuais
Na decisão, ele afirma que não há dispositivo legal que determine que a compensação deva ser feita integralmente neste prazo
Com a inclusão de lobbies diversos, texto aprovado por deputados eleva alíquota de novos impostos para 27%, e contraria o princípio de neutralidade, Veja quais são os próximos passos

Inflação brasileira só deve ser controlada em 2023, afirma CEO do Bradesco

Inflação brasileira só deve ser controlada em 2023, afirma CEO do Bradesco

Por: Autor
25/05/2022

A inflação e a taxa Selic, taxa de juros do Brasil, ainda não devem dar sossego para os brasileiros em 2022, pelo menos é o que espera o presidente do banco Bradesco,  Octávio Lazari Júnior.

O CEO afirmou que a inflação deve continuar pressionando a economia global, especialmente do Brasil, até 2023. Com isso, ele espera uma alta na Selic pelo menos até o fim do semestre.

“Acredito que a inflação vai continuar persistente neste ano todo, e a expectativa é que ela comece a ficar mais controlada a partir do ano que vem. Isso globalmente, e no Brasil em especial”, afirmou o executivo a jornalistas durante o encontro do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

Ele projeta que a Selic, atualmente em 12,75%, chegue a 13,5% neste ano, com a inflação de 2022 em até 11%. O índice está muito acima do teto da meta inflacionária fixada pelo governo, que é de 5%.

A atual projeção do mercado para a inflação ainda está levemente abaixo de 8% segundo o boletim Focus, compilação do Banco Central com as perspectivas das principais casas bancárias do país, do final de abril.

O CEO enfatiza, que embora mais grave no Brasil, o problema é global. Na véspera, um grupo de economistas eminentes ligados ao Fórum assinou um relatório no qual prevê intensificação da inflação e fragmentação na globalização, o que significa mais sobressaltos nas cadeias globais de fornecimento e, logo, mais pressão sobre os preços.

“O mundo todo está preocupado com o que está acontecendo com o fornecimento das cadeias globais de suprimentos, então isso enseja uma preocupação ou uma expectativa de continuidade da inflação por mais tempo. E isso de fato deve acontecer”, aponta Lazari.

A perspectiva do executivo, porém, é que isso não ocorra tão cedo, devido à influência ainda da pandemia, da guerra na Ucrânia, que influencia na produção de matérias primas.

“Até que você restabeleça todas as cadeias de suprimentos globais, que é o que precisa acontecer efetivamente, para que você tenha o melhor controle da inflação. Hoje a inflação é de oferta, não de demanda. A partir do momento que você restabelece as cadeias de suprimentos globais você tem uma maior oferta e isso traz a inflação para baixo”, explica o presidente do Bradesco.

Fonte: Portal Contábeis; Folha de São Paulo

Compartilhe