ICMS como Exclusão da Base de PIS/COFINS para Apuração dos Créditos

Prazo para governo e Congresso decidirem sobre compensação da desoneração se encerra em 19 de julho
Grupo de Trabalho da Reforma Tributária afirma que objetivo é assegurar que a carga tributária seja neutra para todos os setores da economia
Deputado diz que relatório do projeto de regulamentação não prevê taxação de fundos imobiliários

ICMS como Exclusão da Base de PIS/COFINS para Apuração dos Créditos

ICMS como Exclusão da Base de PIS/COFINS para Apuração dos Créditos

Por: Autor
14/10/2021

A emblemática discussão está em torno do Recurso Extraordinário 574.706 (Tema 69 de Repercussão Geral), em que o STF concluiu que o ICMS não compõe a base de cálculo para incidência do PIS/COFINS.

Inclusive, essa foi a conclusão da Solução de Consulta 10 Cosit da Receita Federal sobre o regime de apuração não cumulativa das contribuições do PIS/COFINS, em que na apuração da contribuição para o PIS/COFINS a compensar e incidente sobre a venda, o valor do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) destacado na nota fiscal deve ser excluído da base de cálculo, visto que não compõe o preço da mercadoria.

Eu diria que os holofotes, irão se voltar agora sobre uma questão importante, que é, como se dará a apuração dos créditos do PIS/COFINS no regime não cumulativo.

De acordo com a coordenação-geral de tributação, em função da aplicação do método de base contra base, o valor sobre o qual a pessoa jurídica compradora aplicará a alíquota de 7,6% para apuração do crédito da COFINS, atendendo a regra da não cumulatividade, será o mesmo valor que serviu de base de cálculo para apuração da COFINS pelo vendedor — ou seja, o valor da nota fiscal deduzido do valor do ICMS destacado, visto que esse imposto, conforme a decisão do STF, não integra o preço do produto e, consequentemente, não integra o faturamento do vendedor nem o valor de aquisição do comprador.

A solução de consulta ressaltou que, se for admitida a manutenção do ICMS no valor de aquisição de bens que dão direito a crédito, haverá um “completo desvirtuamento da não cumulatividade do PIS/COFINS, esvaziando a arrecadação. Em situação limite, considerando as margens de agregação na cadeia de produção e comercialização de determinado produto, é possível chegar-se a saldo líquido negativo das contribuições ao final da cadeia. Ou seja, a atividade econômica será subsidiada pela União com valores retirados da Seguridade Social”, disse o parecer.

“Logo, a tese de que, na apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da COFINS a pagar, o ICMS integra o valor de aquisição de bens que geram direito a créditos está em total desacordo com o Princípio da Razoabilidade, visto que ameaça duas das principais fontes para o financiamento da seguridade social, tirando a coerência do arcabouço constitucional criado para esse fim”, concluiu.

Contudo, para o advogado Alessandro Mendes Cardoso, após o julgamento do RE 574.706 era grande a expectativa das empresas sobre como a Receita iria tratar o cálculo dos créditos de PIS/COFINS. O Parecer Cosit 10 confirma o temor de que o órgão iria entender pela exclusão do ICMS também do cálculo do crédito não-cumulativo. “Esse posicionamento traz grande insegurança jurídica e inicia nova controvérsia entre Fisco e contribuintes, sobre esse tema que se esperava finalizado. Entendemos equivocado o posicionamento, já que a legislação determina o sistema de cálculo de base sobre base para o PIS/COFINS, de forma que o ICMScompõe o custo de aquisição, devendo ser considerado para o cálculo do crédito cumulativo”, opina. “A sua exclusão desse cálculo somente pode ser dar por alteração da legislação e não por mero exercício interpretativo da RFB. Não se trata de questão de razoabilidade, conforme defende o parecer, e sim de legalidade.”

Ainda sobre esse assunto, no dia 29/09 no diário oficial da união (DOU) foi publicado o Parecer da PGFN SEI n° 14.483/2021 ME, na qual a manifestação da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional via Parecer veio depois que o STF decidiu que o ICMS não compõe a base de cálculo do PIS e da COFINS. Em outras palavras, o próprio parecer considera a decisão do STF (Tema 69) que para calcular o PIS e a COFINS, a empresa vai excluir o ICMS destacado nos documento fiscais de vendas e serviços, mas esta exclusão não vai afetar o crédito.

Destarte, de acordo com a PGFN não é possível, com base apenas no conteúdo do acórdão, proceder ao recálculo como criar blog dos créditos apurados nas operações de entrada, porque a questão não foi, nem poderia ter sido discutida nos autos.

Veja que essa discussão toda entre o ativismo fazendário, isto é, entre o Fisco e Contribuintes se dá, porque a Receita defendeu que a mesma base sobre a qual se apura o débito do PIS/COFINS, deve ser utilizada para a apuração do crédito, na sistemática não-cumulativa e não poderia haver diferenciação entre essas bases.ECO

E por fim, meu entendimento dessa discussão toda, é que o valor da aquisição dos bens e serviços é acrescido do ICMS, que por isso deve compor a base do crédito. Para que o ICMS seja excluído do cálculo do crédito do PIS/COFINS, as Leis 10.637/02 e 10.833/03 devem ser alteradas.

Fonte: Portal Contábeis

Compartilhe