Comissão do Senado pode votar PLs sobre tributação de fundos exclusivos, offshores e bets

Prazo para governo e Congresso decidirem sobre compensação da desoneração se encerra em 19 de julho
Grupo de Trabalho da Reforma Tributária afirma que objetivo é assegurar que a carga tributária seja neutra para todos os setores da economia
Deputado diz que relatório do projeto de regulamentação não prevê taxação de fundos imobiliários

Comissão do Senado pode votar PLs sobre tributação de fundos exclusivos, offshores e bets

Comissão do Senado pode votar PLs sobre tributação de fundos exclusivos, offshores e bets

As propostas são vistos como essenciais para a União aumentar a arrecadação em 2024 e zerar o déficit nas contas públicas.

Por: KBL
23/11/2023

A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) pode votar nesta quarta-feira, 22, dois projetos de lei de interesse do governo Lula. O PL dos fundos exclusivos e offshores e a proposta das apostas esportivas são vistos como essenciais para a União aumentar a arrecadação em 2024 e zerar o déficit nas contas públicas.

Segundo projeção inicial do ministério, as regras previstas nas propostas adiadas pela CAE na terça poderiam colocar quase R$ 21 bilhões na arrecadação.

As duas matérias estavam na pauta na terça-feira, 21, mas as votações foram adiadas após pedido de vista dos senadores da oposição. O presidente da CAE, Vanderlan Cardoso (PSD-GO), argumentou que as propostas precisam ser votadas hoje, pois na próxima é esperado que o Senado esteja esvaziado por conta da COP28.

Como deve ficar a taxação de fundos exclusivos e offshores

O texto prevê uma tributação anual com alíquota de 15% sobre os rendimentos de offshores, independente dos valores aplicados. Os fundos de investimentos offshores são aqueles mantidos fora do Brasil, e que contam com ativos internacionais. Atualmente, o capital investido no exterior é tributado apenas quando resgatado e enviado ao país.

No caso dos fundos fechados, o PL define que o investidor terá incidência da chamada taxa “come-cotas” — imposto recolhido semestralmente sobre alguns fundos de investimento — de 15% para os fundos de longo prazo, e de 20%, para os de curto prazo.

Essa modalidade de fundo tem apenas um investidor com no mínimo R$ 10 milhões aplicados, com custo de manutenção de até R$ 150 mil por ano. Hoje, a tributação desse investimento acontece apenas no resgate. Segundo estimativas do governo federal, há 2.500 brasileiros com recursos aplicados nesses fundos, que acumulam R$ 756,8 bilhões e correspondem a 12,3% dos fundos no Brasil.

O relator do projeto de lei, senador Alessandro Vieira (Cidadania), não alterou a proposta aprovada na Câmara. A proposta define uma taxa para quem optar por atualizar os rendimentos até 31 de dezembro deste ano. Foi estabelecida uma alíquota de 8% para a opção dada ao contribuinte de antecipar a incidência do tributo sobre rendimentos até 2023 nos fundos fechados e na opção de atualizar bens no exterior pelo valor de mercado em 31 de dezembro de 2023.

Taxação das apostas esportivas

A proposta teve mudanças no Senado. O texto aprovado na Câmara prévia uma taxação de 18% sobre a receita bruta das plataformas subtraídos os prêmios pagos aos apostadores, o chamado GGR (gross gaming revenue, na sigla em inglês). O novo relatório define uma taxa de 12%. O percentual é próximo do desejado por empresas do setor de apostas.

 

A divisão do montante arrecadado também sofreu alteração. O novo parecer define:

  • 10% para o Ministério da Educação;

  • 14% para a área da segurança pública, como o Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP) e o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron);

  • 36% para a área do esporte, como o Ministério do Esporte e comitês esportivos;

  • 10% para a seguridade social;

  • 28% para a área do turismo, como a Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur) e o Ministério do Turismo;

  • 1% para o Ministério da Saúde;

  • 0,50% para entidades da sociedade civil, como a Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (Fenapaes), a Federação Nacional das Associações Pestalozzi (Fenapestalozzi) e a Cruz Vermelha Brasileira;

  • e 0,50% para o Fundo para Aparelhamento e Operacionalização das Atividades-fim da Polícia Federal (Funapol).

No caso da tributação dos prêmios recebidos pelos apostadores, houve uma redução da alíquota de 30% para 15%. Essa cobrança ocorrerá uma vez por ano. Valores inferiores ao da tabela de isenção do IR, atualmente em R$ 2.112, não serão tributados. 

Fonte: Portal Exame

Compartilhe