Classificação fiscal de mercadorias ou classificação aduaneira de mercadorias; entenda

Prazo para governo e Congresso decidirem sobre compensação da desoneração se encerra em 19 de julho
Grupo de Trabalho da Reforma Tributária afirma que objetivo é assegurar que a carga tributária seja neutra para todos os setores da economia
Deputado diz que relatório do projeto de regulamentação não prevê taxação de fundos imobiliários

Classificação fiscal de mercadorias ou classificação aduaneira de mercadorias; entenda

Classificação fiscal de mercadorias ou classificação aduaneira de mercadorias; entenda

Por: Autor
08/06/2022

Qual a forma correta de definir o ato de identificar no Sistema Harmonizado e suas tabelas correlatas o código que identifica a mercadoria no comercio internacional e nacional também.

Para responder a essa pergunta é fundamental entender o que é o Sistema Harmonizado e para que fins foi criado.

O objetivo do Sistema Harmonizado é atribuir uma identidade para cada tipo de mercadoria, padronizando mundialmente sua identificação por meio de um código, afinal sem essa identificação numérica cada país atribuía o nome que achava mais apropriado para a mercadoria e assim tínhamos várias denominações para uma mesma mercadoria, inclusive de idioma, fato que dificultava o controle aduaneiro para fins estatísticos, de fiscalização, monitoramento, identificação impedimento de transações ilegais, dentre outros.

Portanto o código foi criado para fins aduaneiros e não para fins de identificar a tributação ou procedimentos fiscais burocráticos como os do Brasil. O procedimento de identificar o código é puramente técnico nos dois sentidos, tanto para compreender tecnicamente o que é a mercadoria, como para identificá-la no Sistema Harmonizado para obter seu código.

Se formos analisar do ponto de vista correto mesmo a denominação deveria ser classificação técnica e aduaneira de mercadorias, mas apenas classificação aduaneira de mercadorias já define o que é.

O Brasil, por conveniência adotou o Sistema Harmonizado para suas necessidades internas, criando a TIPI que é baseada na NCM a qual foi instituída pelo Mercosul, bem como a TEC, todas com base nas denominações e códigos do SH (seis primeiros dígitos do código). Assim passou a usar os códigos para identificar a tributação e procedimentos fiscais inerentes à circulação dessas mercadorias. Por isso internamente atribuiu-se o termo classificação fiscal de mercadorias, mas também poderia ser classificação tributária de mercadorias.

Essa denominação classificação Ffscal, mesmo inadequada,  acabou por se tornar quase que um padrão de denominação e dificilmente será mudado internamente, portanto, assim como acontece com muitos vícios de linguagem que acabam incorporando os dicionários, mesmo não sendo adequados, o termo classificação fiscal de mercadorias já é bem aceito e difundido.

Fonte: Cláudio Cortez; Portal Contábeis

Compartilhe