Caminho para crescer legalmente no Brasil

Prazo para governo e Congresso decidirem sobre compensação da desoneração se encerra em 19 de julho
Grupo de Trabalho da Reforma Tributária afirma que objetivo é assegurar que a carga tributária seja neutra para todos os setores da economia
Deputado diz que relatório do projeto de regulamentação não prevê taxação de fundos imobiliários

Caminho para crescer legalmente no Brasil

Caminho para crescer legalmente no Brasil.

Caminhos da Consultoria Tributária/Financeira para reorganizar e modernizar processos e gestão.

Por: Autor
03/03/2023

Todos os meses, empreendedores de todos os lugares do Brasil lutam para cobrir as despesas. O preço para manter um negócio, no Brasil, é muitíssimo maior do que o valor obtido como lucro. Dentre as despesas operacionais, os impostos são os que têm o maior impacto.

Nesse contexto o Brasil penaliza as suas empresas com um Sistema Tributário confuso, poucos entendem, injusto e viciado. Esse complexo emaranhado de normas, regras e leis leva a maioria das empresas a não cumprir as suas obrigações em algum momento. A verdade é não haver vontade política para modificar essa situação efetivamente.

É importante notar que, ao longo da história, o empreendedor sempre arcou com as consequências pelos desmandos do governo, ineficiência do estado e demora do judiciário. A empresa, quando prejudicada, recorre à justiça e, às vezes, tem que esperar anos, até décadas, para ver sua demanda discutida. Ganha algumas vezes, mas perde outras tantas. A sobrevivência é mais importante que vencer ou perder, pois muitas morrem antes do resultado.

A pandemia do coronavírus tem revelado essa relação usurpadora do Estado em relação ao empresário. As empresas enfrentam um momento complicado, tendo enormes perdas financeiras. O Brasil vinha enfrentando uma crise há alguns anos, o coronavírus acelerou rumo ao fundo do poço.

Diversas companhias já apresentavam dívidas para com o sistema financeiro. Sem a receita e com os juros altos, a conta não fechou. Diversas companhias tiveram que cessar as suas atividades.

Precisamos ter uma estratégia de batalha, pois o outro lado é bastante familiarizado com a nossa contabilidade. Nunca devemos ceder à tentação de sonegar, pois isso é uma forma de banditismo e a história nos revela que em dado momento a casa cai. Não existe solução milagrosa. Existem muitos recursos na lei para enfrentar, de frente, esse sistema injusto. O consultor contábil é necessário para formular este plano.

Após examinar a situação financeira/tributária da empresa, o consultor entrega seu relatório para o outro profissional designado para executar as tarefas no campo do direito, o advogado tributarista, ele deve buscar, na justiça ou na esfera administrativa, todos os argumentos para diminuir o passivo tributário no âmbito Federal, Estadual, Municipal. Endividamento com o sistema financeiro, deve-se escolher outro caminho.

Os argumentos devem surgir junto às exigências. O melhor procedimento, neste caso, é o judicial, até para chegar a um acordo justo. Proteger o patrimônio da organização é crucial, assim como manter sua reputação no meio em que atua.

Com minha experiência de três décadas, posso confirmar que a empresa que optar pelo caminho da consultoria contábil e seguir os caminhos propostos garantirá vanguarda em qualquer situação.

O foco do consultor não são os processos internos de gestão financeira e tributária da empresa. Ele deve atuar tanto para encontrar, no histórico, o que levou a instituição a inadimplência e apontar caminhos.

Essas soluções passam por dentro da empresa, mas é nas oportunidades jurídicas e nas oportunidades do estado que ela deve ter seu alicerce. Em todos esses anos de experiência na consultoria, nunca vi uma empresa que utilizou a engenharia tributária e financeira perder — todas elas ganharam muito mais do que o custo de implantação do procedimento.

As companhias de grande porte usam, em larga escala, planejamento tributário e financeiro, o que as mantém sempre à frente, lidando com as oscilações de humor do mercado.

As pequenas e médias empresas ainda estão no processo de compreender que o custo para se ter uma estratégia nessa área é muito menor que os benefícios que trará o seu conhecimento.

Ainda que esteja em boa situação financeira, a organização deve contratar uma consultoria, modernizar seus processos internos, reduzir a sua despesa com tributos e bancos para se manter competitiva.

Às vezes, somos capazes de diminuir os custos em 2% a 5%, o que é muito significativo numa concorrência tão intensa entre marcas e produtos. A estabilidade tributária/financeira de uma empresa está no departamento contábil.

Por Beto Villani — Consultor, Pós-Graduado Contabilidade Pública e Lei de Responsabilidade Fiscal, MBA — Gestão Fiscal e Tributária e Perito Judicial Avaliador de Ativos (Tangíveis, Intangíveis) 

Fonte: Portal Contábeis 

Compartilhe